Ler digitalmente: Funciona com meu filho?

Neste post, pretendo lhe mostrar sob a minha visão, como é ler eletronicamente, e se essa forma de leitura vale a pena no sentido de incentivar a leitura de nossos filhos.

            Já começo dizendo que para ler eletronicamente você não precisa necessariamente ter um e-reader. Você pode baixar o aplicativo GRÁTIS e testar se essa forma de ler lhe agrada ou não (Neste post você encontra como baixar gratuitamente o aplicativo para leitura de e-books).

            Eu tenho o aparelho Kindle Paperwhite. Ele apresenta todas as funções do modelo mais simples comercializado pela Amazon, que é o Kindle com uma funcionalidade a mais, a iluminação embutida, o que me possibilita ler a noite sem ter que acender o abajur.

            Então vamos lá:

Pontos positivos:

  • Ter o livro na mão a hora que quiser ler.
  • Facilidade em segurar o livro. Todos os livros têm “o mesmo peso”;
  • Comodidade em escolher o tamanho da letra que melhor lhe convém para a leitura;
  • Facilidade em recorrer ao dicionário caso encontre alguma palavra nova no seu vocabulário;
  • Facilidade em recorrer, às anotações, destaques e marcações que você fez durante a leitura;
  • Possibilidade em ler o começo do livro e só depois se gostou, pagar por ele e continuar a leitura.
  • Tem ainda um fator não menos importante. A leitura é feita sem distrações com alertas de notificações de e-mails ou novas postagens nas redes sociais. (Isso é claro, se a leitura estiver sendo feita através do e-reader)

Pontos negativos:

  • Se a leitura for feita pelo e-reader, ela será toda em branco e preto, inclusive as capas aparecem monocromáticas. Portanto livros infantis com muitas fotos não funcionam eletronicamente;
  • Precisa ser carregado. A bateria tem uma boa durabilidade, mas mesmo assim, de tempo em tempo precisa de carga;
  • O cuidado que se tem que ter é maior do que com um livro comum. Uma queda pode danificar o aparelho e somente o e-reader top de linha da família Kindle é a prova d’água (Kindle Oasis).

Considerando esses pontos que listei acima, acredito que ler eletronicamente é bacana a partir de uma certa idade, quando a criança já não precisa mais de figuras, fotos e desenhos para conseguir fantasiar e entrar no enredo proposto pelo autor, além de ter mais responsabilidade em cuidar do aparelho em si.

            Uma coisa interessante, para aqueles que tem preguiça de ler, é que pelo e-reader não temos noção do tamanho do livro, portanto, não ficamos toda hora olhando quanto falta para acabar a leitura. Se a história nos tocar, vamos lendo…

          Gostou deste texto?

      Deixe seus comentários e dúvidas que vamos adorar esclarecer e discutir mais sobre esse assunto com você.

Deixe uma resposta