Falando a Língua deles…

Esse fim de semana aconteceu em São Paulo o festival Lollapalooza, e recebi em TODOS os grupos de WhatsApp o texto de um pai que foi ao festival com a filha. O Texto realmente é bom, e nos mostra na cara “dura” como não falamos a língua dos nossos filhos e como não fazemos nada até dar de cara com situação como a do texto a seguir:

Pai que levou filhas ao Lollapalooza fez relato hilário e ganhou a internet

“Enquanto você está aí, no conforto do seu combo wifi+ar condicionado, estou aqui no Lollapalooza, em Interlagos. Trouxe minhas filhas.

Devia chamar Longeapalloza. Tudo aqui é longe. Interlagos é longe. Os palcos são longe. A água, a comida, os banheiros são longe. O que esperavam, afinal? O lugar foi feito para se ir de um ponto ao outro num fórmula um. Como podem exigir que eu vá caminhando?

O público se divide em 2 grandes grupos: meninas de shortezinho jeans e barbudos de gel no cabelo. Alguns barbudos também usam shortezinho.

Estou sentado na grama. Sinto que a última vez que sentei na grama o continente ainda se chamava Pangeia. Um garoto de uns 15 anos ameaçou me ajudar a sentar. Humilhante.

Agora começou o show de uma banda cujo nome só tem consoantes. Tentei pronunciar e minha filha achou que eu tinha engasgado.

Sou o único num raio de 30km que nunca ouviu falar deles. Dele na verdade. Fica o sujeito lá sozinho, pulando e fingindo que mexe nuns botões. Se estivesse fazendo um risoto ninguém notaria a diferença.

Martela os graves e esfrega os agudos na minha orelha. As vozes eletrônicas.

Uma moça, aqui na minha frente, dança fora de controle. Me escapa o que leva alguém a dançar assim. Estou hipnotizado olhando para a moça dançando. Perco a noção do tempo. Então percebo que foi a maconha que bateu. Não. Claro que eu não fumei. Em que ano vocês acham que eu vivo? 1974? Mesmo sendo 2019 a brisa ardida e doce da maconha cobre o lugar desde as 3 da tarde. Uma bruma alucinógena. Demais essa música. O telão psicodélico. O cara pulando. Ainda bem que sou imune aos efeitos da marijuana. Agora estou dançando com o vendedor de cachorro-quentes. A música alta, o laser, fumaça, o chão que vibra.

Amanhã acho que venho de shortinho de jeans.

Ok, estamos TODAS no mesmo barco!!!

Aqui vão algumas dicas de livros que começam a nos dar um caminho melhor… , pois os livros ajudam, mas precisamos estar perto, viver com eles a vida deles e quem sabe…colocar no currículo:

Línguas:

  1. Inglês – Avançado
  2. Língua dos Filho – Intermediário

😉


Abaixo a melhor opção de compra.
Veja também outros livros no mesmo estilo que você pode gostar.

Produtos da Amazon.com.br

Esperamos que tenha gostado deste post! : )

Esperamos que tenha gostado deste post! : )

Fechar Menu